Circulação
Avaré, Arandu,
Águas de Santa Bárbara,
Cerqueira César,
Iaras, Itaí, Manduri,
Paranapanema,
Piraju e Óleo
Logo-Jornal a Comarca

28

Assinatura-Jornal a Comarca
Logo-Jornal a Comarca

Hoje é domingo , 21 de outubro de 2018 - Avaré - SP

relogio

Reajuste do valor da contribuição sindical revolta servidores

Aumento de 1% para 2% na contribuição sindical dos servidores da Prefeitura de Avaré gerou polêmica nas redes sociais

Da Redação

O aumento do valor da contribuição sindical do Sindicato dos Servidores Municipais de Avaré e Região de 1 para 2 por cento pegou a categoria de surpresa. Em um grupo fechado em uma rede social, no início da noite de terça-feira, 12, a postagem de um servidor reclamando do aumento teve dezenas de comentários, vários deles mencionando que o Sindicato não deu publicidade a essa decisão, além de duras críticas contra a decisão da entidade.

Em contrapartida, a assessoria da entidade enviou a órgãos de imprensa, através de aplicativo de mensagens, uma nota oficial sobre o assunto. Um dos pontos do texto menciona que funcionários não sindicalizados poderão não se beneficiar de eventuais negociações trabalhistas lideradas pela entidade junto a Prefeitura, o que também está gerando novos questionamentos. Especialista ouvido pela Comarca disse que tal medida seria “ilegal e inconstitucional” (ver nessa página).

LEGÍTIMA – Questionado pela reportagem do Jornal A Comarca sobre esse aumento da contribuição, o presidente do sindicato, Leonardo do Espírito Santo, disse que a decisão foi tomada em assembleia realizada no dia 26 de janeiro de 2018.

“Essa reunião não teve uma presença significativa dos nossos sindicalizados, que hoje somam 1.683 para ser exato. Somente 36 compareceram à assembleia, e na oportunidade expusemos a necessidade de se aumentar a contribuição justamente pelo fato do Governo Federal ter decidido que as contribuições sindicais não seriam mais obrigatórias, e sim voluntárias”, disse Leonardo lamentando que a grande maioria dos sindicalizados não deu importância aos alertas que a entidade fez, quando procurou demonstrar os pontos negativos que a medida traria se fosse aprovada, como ocorreu.

Segundo ele, mesmo com o baixo número de sindicalizados, a assembleia transcorreu normalmente. Dos 36 membros presentes, 31 foram favoráveis ao aumento da contribuição de 1% para 2%, enquanto 4 preferiram se abster do voto e apenas um foi contrário ao reajuste. “Nosso estatuto prevê e autoriza que, independentemente da quantidade de pessoas presentes a uma assembleia, se dois terços opinarem favoravelmente a determinadas deliberações, elas serão aprovadas. E foi isso que ocorreu. Nós, inclusive, sugerimos o corte no fornecimento mensal das bandejas de ovos, que hoje representa um gasto aproximado de R$ 20 mil, mas a maioria optou pela continuidade no fornecimento e pelo reajuste da contribuição”, argumentou Leonardo.

POLÊMICA – Mas o que vem causando polêmica em torno dessa questão é o fato do sindicato ter alegado na nota veiculada entre os órgãos de imprensa, que a entidade poderá restringir o atendimento aos servidores, ou seja, apenas os sindicalizados teriam o auxílio da entidade em questões que envolvam processos, sindicâncias entre outros serviços.

“Quem criou essa situação toda foi o Governo Federal. Um sindicato vive de verba, de contribuição, e se houvesse mais união e compreensão por parte dos servidores e sindicalizados, a coisa poderia ser diferente. Mas como isso não ocorreu, temos que tomar medidas que mantenham o sindicato vivo, que façam com que o servidor tire da cabeça aquela ilusão de que tudo são regalias, que o sindicato tem a obrigação de dar sem receber”, explica Leonardo.

Desde que a obrigatoriedade da contribuição sindical foi extinta, inúmeros pedidos de desfiliações foram registrados no sindicato. Para o presidente Leonardo, isso mostra que o servidor não tem noção daquilo que pode perder. “Estamos ampliando nossos atendimentos, oferecendo benefícios como consultas médicas em diversas especialidades. Além disso, temos gastos com profissionais e funcionários que trabalham no sindicato e tudo isso é pago com a contribuição sindical. Se nosso orçamento cair significativamente, temos que tomar atitudes que poderão ser encaradas como drásticas por muita gente”, disse o presidente.

FORA DA LISTA – Outra questão que vem sendo contestada por muitos, está relacionada com as ações coletivas já movidas ou que venham a ser impetradas pelo sindicato. Segundo a nota veiculada pela entidade, “como a contribuição sindical agora é voluntária, o sindicato pode atender exclusivamente a seus filiados, deixando os demais trabalhadores de fora de sua lista de beneficiários. Trocando em miúdos, a entidade apenas defenderá os servidores sindicalizados em processos e sindicâncias; além disso, todas as ações coletivas do sindicato serão estendidas apenas aos filiados devido ao término da obrigatoriedade da contribuição sindical. Ou seja: caso seja aprovada uma negociação salarial, a PREFEITURA PODERÁ ESCOLHER SE CONCEDERÁ OS NOVOS BENEFÍCIOS apenas aos trabalhadores ligados ao sindicato ou se o estenderá a todos os funcionários”. O trecho em maiúsculo é do próprio Sindicato.

 

 

 

Topo Voltar
Jornal A Comarca
Quer Falar com o Jornal A Comarca?

Endereço: Avenida Gilberto Filgueiras, 1402 - Avaré - SP
Cep: 18706-240

e-mail:
redacao@jornalacomarca.com.br
j.acomarca@terra.com.br
comercial@jornalacomarca.com.br

Telefones do Jornal A Comarca (14) 3733-2023 / 3733-2633

Desenvolvido por: Junqui Net